junho 14, 2016

Quando o cinema supera a literatura: Filmes melhores que os livros nos quais foram baseados


Livros de sucesso são constantemente adaptados para o cinema, porém, na maioria das vezes o resultado é aquém do esperado. Muitos romances são extremamente complexos e muitas vezes transformar a escrita em imagens exige talento foram do comum, não só do roteiristas - responsáveis por adaptar o livro em roteiro - como principalmente dos diretores - que são os grandes maestros da sétima arte. Graças ao talento dos envolvidos, muitos filmes se tornam superiores aos livros e não raramente se tornam grandes clássicos do cinema.

A lista que preparamos contém grandes exemplos de filmes que se tornaram melhores que os livros no qual foram baseados.

Enjoy!


Psicose (Psycho) - 1960
Direção: Alfred Hitchcock
Roteiro: Joseph Stefano
Baseado no livro: Psycho (1959) de Robert Bloch
Por que é melhor: O filme subverte as expectativas do público , começando com a história de Marion Crane (Janet Leigh) em vez de Norman Bates (Anthony Perkins), tornando a sua morte uma surpresa e aumentando o suspense que fez Psicose um clássico. Além disso, Norman é um personagem mais complexo e funciona melhor no filme.


Dr. Fantástico (Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb) - 1964
Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Stanley Kubrick, Terry Southern, and Peter George
Baseado no livro: Red Alert (1958) de Peter George
Por que é melhor: Stanley Kubrick faz várias aparições na lista, porque suas adaptações tendiam a ser obras distintas de arte. Neste caso, ele transformou um thriller sobre guerra nuclear em uma sátira que deixou uma importante e duradoura mensagem social.


A Primeira Noite de um Homem (The Graduate) - 1967
Direção: Mike Nichols
Roteiro: Calder Willingham e Buck Henry
Baseado no livro: The Graduate (1963) de Charles Webb
Por que é melhor: O filme é fiel ao livro, porém, as atuações de Dustin Hoffman e Anne Braddock, aliado a ótima direção, transformam A Primeira Noite de um Homem em uma superior ao livro. O filme é considerado um clássico da sétima arte.


Laranja Mecânica (A Clockwork Orange) - 1971
Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Stanley Kubrick
Baseado no livro: A Clockwork Orange (1962) de Anthony Burgess
Por que é melhor: Mais uma vez, estética única de Kubrick faz esta versão da história mais eficaz do que o romance. Kubrick sabidamente utilizou a versão americana do livro, onde o personagem de Malcolm McDowell possui o final que todos conhecem. Ele descartou a versão do Reino Unido, onde o personagem encontra a redenção e muda de vida.


O Poderoso Chefão (The Godfather) - 1972
Direção: Francis Ford Coppola
Roteiro: Mario Puzo e Francis Ford Coppola
Baseado no livro:  The Godfather (1969) de Mario Puzo
Por que é melhor: The Godfather é amplamente considerado um dos melhores filmes de todos os tempos. O grandioso romance de Mario Puzo é definitivamente divertido, mas Francis Ford Coppola elevou a história para níveis exorbitantes e criou uma obra cinematográfica de tirar o fôlego. É também uma história mais simplificada e direta. Vale destacar o trabalho de Marlon Brando como Don Corleone, com certeza muito superior ao que qualquer fã do livro pudesse imaginar.


Tubarão (Jaws) - 1975
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: Peter Benchley and Carl Gottlieb
Bseado no livro: Jaws (1974) de Peter Benchley
Por que é melhor: Enquanto o romance Jaws era um thriller bastante normal, o filme o transformou em uma história violenta e com um suspense crescente graças ao talento sobre a violência - uma consequência fortuita de um baixo orçamento e um tubarão mecânico mau funcionamento . Os caracteres não- tubarões também foram desenvolvidas e torna-se mais agradável , ajudando a raiz audiência para eles.


Um Estranho no Ninho (One Flew Over the Cuckoo’s Nest) - 1975
Direção: Miloš Forman
Roteiro: Lawrence Hauben e Bo Goldman
Baseado no livro: One Flew Over the Cuckoo’s Nest (1962) de Ken Kesey
Por que é melhor: Como interpretado por Jack Nicholson, McMurphy é um anti-herói cinematográfico duradouro. O filme mudou a perspectiva do chefe (Will Sampson ) , que narra o romance, na telona é McMurphy quem narra , tornando o conflito central entre McMurphy e enfermeira Ratched (Louise Fletcher) ainda mais dinâmico.


O Iluminado (The Shining) - 1980
Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Stanley Kubrick e Diane Johnson
Baseado no livro: The Shining (1977) de Stephen King
Por que é melhor: Stephen King revelou não gostar da clássica adpatação de Kubrick para seu romance, em grande parte pela ausência de muitos elementos sobrenaturais. Mas enquanto Jack Torrance (Jack Nicholson) não é possuído no filme , ele é muito mais assustador do que no livro, porque o terror é retratado de forma mais real e familiar.


Blade Runner, o Caçador de Andróides (Blade Runner) - 1982
Direção: Ridley Scott
Roteiro: Hampton Fancher and David Peoples
Baseado no livro: Do Androids Dream of Electric Sheep? (1968) de Philip K. Dick
Por que é melhor: Blade Runner é uma adaptação livre do romance de Philip K. Dick , que é um inquestionável clássico sci-fi. Mas o filme funciona melhor como uma visão sombria do futuro da humanidade.


Conta Comigo (Stand By Me) - 1986
Direção: Rob Reiner
Roteiro: Bruce A. Evans e Raynold Gideon
Baseado no livro:  The Body (1982) de Stephen King
Por que é melhor: Outra adaptação de Stephen King , Stand By Me não é muito diferente do livro. Mas o diretor Rob Reiner capturou com extrema sutileza a nostalgia da infância agridoce e adicionou humor negro na história, tornando o filme um clássico amado por várias gerações.


A Princesa Prometida (The Princess Bride) - 1987
Direção: Rob Reiner
Roteiro: William Goldman
Baseado no livro: The Princess Bride (1973) by William Goldman
Por que é melhor: Outra adaptação feita pelo diretor Rob Reiner. Ele ajudou diretamente William Goldman a adaptar seu romance para o cinema .O humor subversivo e charme genuínos são praticamente os mesmos, mas o filme faz um trabalho tão impressionante de captar a magia que ele acaba superando o material de origem como um conto de fadas quase perfeito.


Duro de Matar (Die Hard) - 1988
Direção: John McTiernan
Roteiro: Jeb Stuart e Steven E. de Souza
Baseado no livro: Nothing Lasts Forever (1979) de Roderick Thorp
Por que é melhor: Enquanto o romance de Roderick Thorp foi um thriller, Die Hard é inegavelmente um filme de ação - e se tornou um clássico por isso. Filme de ação bem construído que tem em seu personagem John McClane (Bruce Willis) um ícone dos filmes casca grossa. Die Hard se tornou referência no gênero.


Louca Obsessão (Misery) - 1990
Direção: Rob Reiner
Roteiro: William Goldman
Baseado no livro: Misery (1987) de Stephen King
Por que é melhor: Rob Reiner é um especialista em adaptações e aqui ele foi auxiliado pelo excelente roteiro de William Goldman para a obra de Stephen King. A versão cinematográfica de Misery faz uma leitura mais ágil e acessível da história.


O Silêncio dos Inocentes (The Silence of the Lambs) - 1991
Direção: Jonathan Demme
Roteiro: Ted Tally
Baseado no livro: The Silence of the Lambs (1988) de Thomas Harris
Por que é melhor: O filme agiliza o romance, retira subtramas estranhas e personagens. Mas isso é uma prática padrão em adaptações. O que torna esta uma adaptação tão incrível é em grande parte a atuação de Jodie Foster como Clarice Starling e Anthony Hopkins como Hannibal Lecter : A química entre eles os coloca acima de seus personagens literários.


O Último dos Moicanos (The Last of the Mohicans) - 1992
Direção: Michael Mann
Roteiro: Michael Mann e Christopher Crowe
Baseado no livro: O Último dos Moicanos: uma narrativa de 1757 (1826) por James Fenimore Cooper 
Por que é melhor: o romance de James Fenimore Cooper pode ser um clássico do século 18 , mas também é um trabalho árduo total. A prosa é densa e excessivamente detalhada com um enredo que avança em ritmo glacial. O filme, por outro lado, é uma produção suntuosa de Michael Mann.


Jurassic Park: Parque dos Dinossauros (Jurassic Park) - 1993
Direção: Steven Spielberg
Roteiro: Michael Crichton e David Koepp
Baseado no livro: Jurassic Park (1990) de Michael Crichton
Por que é melhor: Quando ele saiu há quase 25 anos , Jurassic Park revolucionou os efeitos especiais, que de tão realistas não soam datados até os dias atuais. É difícil para o romance competir com os realistas dinossauros criados para as filmagens. E, como em Jaws, os personagens humanos são mais desenvolvidos e simpáticos, e por isso se aproximam mais do público - que compra a proposta de torcer para que estes sobrevivam no temível Jurassic Park.


Forrest Gump: O Contador de Histórias (Forrest Gump) - 1994
Direção: Robert Zemeckis
Roteiro: Eric Roth
Baseado no livro: Forrest Gump (1986) de Winston Groom
Por que é melhor: O livro possui tantas histórias com o personagem principal, que muitas delas são verdadeiras porcarias. Sabiamente o roteirista excluiu várias dessas histórias para a versão cinematográfica. Graças a isso nos livramos de ver Forrest Gump tornar-se um astronauta que vai para o espaço, encontra um macaco chamado Sue e ao voltar ao planeta terra, aterriza em uma selva e é quase comido por canibais.


Um Sonho de Liberdade (The Shawshank Redemption) - 1994
Direção: Frank Darabont
Roteiro: Frank Darabont
Baseado no livro: Shawshank Redemption de Stephen King
Por que é melhor: Desculpas ao Stephen King, mas essa adaptação para o cinema é um verdadeiro clássico. O roteiro explora com mais profundidade os personagens e nos entrega uma obra estupenda. The Shawshank Redemption é considerado por muitos como um dos maiores filmes de todos os tempos, ao contrário do livro, que é considero um dos mais fracos do mestre.


Jumanji (Jumanji) - 1995
Direção: Joe Johnston
Roteiro: Greg Taylor, Jonathan Hensleigh, e Jim Strain
Baseado no livro: Jumanji (1981) de Chris Van Allsburg
Por que é melhor: Jumanji de Chris Van Allsburg é um delicioso livro de imagens Ainda assim, não há como negar que o filme faz um grande trabalho de ampliar o conceito de um jogo de tabuleiro com consequências muito reais.


Los Angeles Cidade Proibida (L.A. Confidential) - 1997
Direção: Curtis Hanson
Roteiro: Brian Helgeland e Curtis Hanson
Baseado no livro:  L.A. Confidential (1990) de James Ellroy
Por que é melhor: O romance de James Ellroy é um clássico neo- noir, mas a adaptação para o cinema é ainda mais impressionante pela forma como captura perfeitamente a Los Angeles de 1950 criando um paralelo clássico e atualizado.


Tropas Estrelares (Starship Troopers) - 1997
Direção: Paul Verhoeven
Roteiro: Edward Neumeier
Baseado no livro: Starship Troopers (1959) de Robert A. Heinlein
Por que é melhor: Enquanto o romance de Robert A. Heinlein é duramente criticado por seu cunho pró militar e, alguns diriam, fascista, o filme de Paul Verhoeven funciona claramente como uma sátira. Embora a produção seja um Blockbuster a crítica social que o roteiro entrega é mais relevante que a mensagem do livro.


Jackie Brown (Jackie Brown) - 1997
Direção: Quentin Tarantino
Roteiro: Quentin Tarantino
Baseado no livro: Rum Punch (1992) de Elmore Leonard
Por que é melhor: Ao adaptar o romance de Elmore Leonard - única adaptação de Quentin Tarantino até à data - o cineasta fez da protagonista Jackie Burke uma mulher negra chamada Jackie Brown, lançando Pam Grier em um papel que prestou homenagem ao seu passado blaxploitation. O que seria um thriller simples torna-se algo distintamente Tarantinesco.


Réquiem para um Sonho (Requiem for a Dream) - 2000
Direção: Darren Aronofsky
Roteiro: Hubert Selby Jr. e Darren Aronofsky
Baseado no livro: Requiem for a Dream (1978) de Hubert Selby Jr.
Por que é melhor: Como todos os filmes de Darren Aronofsky , Requiem for a Dream contém imagens assombrosas que ficam na mente do espectador por muito tempo. Mas neste filme especialmente, o diretor foi implacavelmente brutal. O romance é austero e perturbador e o filme eleva esses atributos a níveis impactantes.


Trilogia O Senhor dos Anéis (Lord of the Rings) - 2001-2003
Direção: Peter Jackson
Roteiro: Peter Jackson, Barrie M. Osborne, Fran Walsh, and Tim Sanders
Baseado no livro: The Lord of the Rings (1954–1955) de J.R.R. Tolkien
Por que é melhor: Senhor dos Anéis trilogia de Peter Jackson é uma das melhores adaptações de todos os tempos . Ele agiliza as histórias pesadas de Tolkien - e enquanto os fãs mais ardorosos dos livros podem lamentar algumas das mudanças, os roteiristas foram ousados em excluir várias histórias - que proporcionou uma abordagem mais ágil por parte do diretor. O sucesso estrondoso mostra que eles acertaram.


Sobre Meninos e Lobos (Mystic River) - 2003
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: Brian Helgeland
Baseado no livro: Mystic River (2001) de Dennis Lehane
Por que é melhor: Dennis Lehane é um excelente contador de histórias, e por isso que seu livros são frequentemente adaptados para o cinema. Suas histórias melhoram em tela e Mystic River é o exemplo mais notável. As poderosas atuações do elenco (liderado por Sean Penn, Tim Robbins, e Kevin Bacon) adicionaram um nível de profundidade emocional ainda mais devastador que no livro.


Diário de um Paixão (The Notebook) - 2004
Direção: Nick Cassavetes
Roteiro: Jeremy Leven
Baseado no livro: The Notebook (1996) de Nicholas Sparks
Por que é melhor: Cada livro/filme de Nicholas Sparks é praticamente o mesmo, e se você não é um fã do romance mela cueca, eles provavelmente não são para você. Mas no cinema The Notebook conseguiu ir além e agradar até mesmo quem não curte as açucaradas histórias do autor. A direção de Nick Cassavetes aliada as excelentes atuações de Ryan Gosling e Rachel McAdams trouxerem o equilíbrio ideal para que a obra agradasse até mesmo os menos sensíveis.


007 - Cassino Royale (Casino Royale) - 2006
Direção: Martin Campbell
Roteiro: Neal Purvis, Robert Wade, e Paul Haggis
Baseado no livro: Casino Royale (1953) de Ian Fleming
Por que é melhor: Com todos os seus altos e baixos, a série de filmes do agente James Bond deixou uma impressão muito mais duradoura que os romances de Ian Fleming. Bond é um ícone do cinema - e aqui ele está no auge. Daniel Craig é considerado por muitos como o melhor Bond de todos os tempos.


O Grande Truque (The Prestige) - 2006
Direção: Christopher Nolan
Roteiro: Jonathan Nolan e Christopher Nolan
Baseado no livro: The Prestige (1995) de Christopher Priest
Por que é melhor: O filme é muito parecido com o livro, porém, o talento de Christopher Nolan deixou o romance mais obscuro e ágil, adicionando mais emoção a essa surpreendente história.


Filhos da Esperança (Children of Men) - 2006
Direção: Alfonso Cuarón
Roteiro: Alfonso Cuarón, Timothy J. Sexton, David Arata, Mark Fergus, e Hawk Ostby
Baseado no livro: The Children of Men (1992) de P.D. James
Por que é melhor: A versão cinematográfica de Children of Men não é tão fiel ao romance de P.D. James, mas de forma inteligente mantém muita das ideias deste grande autor. O cinema transforma a história em um thriller. As imagens conduzidas por Alfonso Cuarón fazem a experiência de assistir ao filme em algo insuportavelmente estressante devido ao realismo das cenas.


O Diabo Veste Prada (The Devil Wears Prada) - 2006
Direção: David Frankel
Roteiro: Aline Brosh McKenna
Baseado no livro: The Devil Wears Prada (2003) de Lauren Weisberger
Por que é melhor: Um nome: Meryl Streep. Seu desempenho como Miranda Priestly é um dos grandes elementos que tornam o filme ótimo. Mas o roteiro de Aline Brosh McKenna também acrescenta profundidade a história, além de investir na complexidade dos personagens.


Onde os Fracos Não Têm Vez (No Country for Old Men) - 2007
Direção: Joel Coen e Ethan Coen
Roteiro: Joel Coen e Ethan Coen
Baseado no livro: No Country for Old Men (2005) de Cormac McCarthy
Por que é melhor: Cormac McCarthy tem um estilo muito distinto - escasso, deliberado e frustrantemente livre de pontuação. Ao adaptar o romance, os irmãos Coen introduziram sua própria marca sobre o processo. O resultado é um filme que é mais tragicômico e mais envolvente do que o romance original.


Stardust - O Mistério da Estrela (Stardust) - 2007
Direção: Matthew Vaughn
Roteiro: Jane Goldman e Matthew Vaughn
Baseado no livro: Stardust (1999) de Neil Gaiman
Por que é melhor: Embora existam diferenças de enredo , o livro e filme são bastante semelhantes. O filme conta com narração de Ian McKellen, dando-lhe uma sensação de contos de fadas. Além disso o filme apresenta imagens fantásticas que traduzem a escrita em cenas belíssimas.


Sangue Negro (There Will Be Blood) - 2008
Direção: Paul Thomas Anderson
Roteiro: Paul Thomas Anderson
Baseado no livro: Oil! (1926-1927) de Upton Sinclair
Por que é melhor: Para ser justo, “Sangue Negro” não é exatamente uma adaptação do livro “Oil!” - Paul Thomas Anderson se inspirou apenas nas primeiras 150 páginas. No entanto, o filme carrega em seu roteiro os temas e sátiras encontrados no romance. A perspectiva artística do grandioso Paul Thomas Anderson nos presenteia com uma obra sensorial.


Os Homens que Não Amavam as Mulheres (The Girl With the Dragon Tattoo) - 2009
Direção: Niels Arden Oplev
Roteiro: Nikolaj Arcel e Rasmus Heisterberg
Baseado no livro: The Girl With the Dragon Tattoo (2005) de Stieg Larsson
Por que é melhor: O autor Stieg Larsson era jornalista e por isso incluiu várias críticas ao governo sueco em seu romance. O roteiro exclui o excesso de informação e foca na maior criação de Larsson, a personagem, Lisbeth Salander (Noomi Rapace). A adaptação cinematográfica norte americana de 2011 é também melhor do que o romance, mas não tão bom como o filme sueco de 2009.


O Fantástico Sr. Raposo (Fantastic Mr. Fox) - 2009
Direção: Wes Anderson
Roteiro: Wes Anderson e Noah Baumbach
Baseado no livro: Fantastic Mr Fox (1974) de Roald Dahl
Por que é melhor: Wes Anderson não é a escolha previsível para adaptar um romance infantil - e Noah Baumbach é ainda menos ideal para as crianças. Mas isso é o que faz “O Fantástico Sr. Raposo” tão bom. É completamente apropriado para crianças sem e para adultos. As vezes, é incrivelmente maduro, mas ainda doce.


Drive (Drive) - 2011
Direção: Nicolas Winding Refn
Roteiro: Hossein Amini
Baseado no livro: Drive (2005) de James Sallis
Por que é melhor: Como o romance, Drive é um filme estiloso. Existem mensagens escondidas nas entrelinhas em ambas as versões, mas a linguagem cinematográfica apresentada por Nicolas Winding Refn deixa a história mais interessante. Destaque também para as atuações, principalmente do protagonista vivido por Ryan Gosling e a sensacional trilha sonora. Com todos esses atributos o filme se torna superior ao livro.


Cinquenta Tons de Cinza (Fifty Shades of Grey) - 2015
Direção: Sam Taylor-Johnson
Roteiro: Kelly Marcel
Baseado no livro: Fifty Shades of Grey (2011) de E.L. James
Por que é melhor: Sim, o filme não é bom, mas o livro consegue se pior ainda. Enquanto o romance funciona como uma versão apimentada de Crepúsculo, o filme foco mais no prazer feminino, com algumas boas cenas de sexo. Tanto o livro quanto o filme não são recomendados, porém, se você tem curiosidade em conhecer a história, prefira o filme.

Nenhum comentário:

Postar um comentário