janeiro 17, 2016

Lista revela fatos surpreendente sobre a vida das strippers


Os bares de striptease são comuns em países como Estados Unidos e Canadá. Considerada profissão por boa parte da população, a vida das strippers desperta a curiosidade até mesmo dos mais conservadores.

Será que elas tiram a roupa para estudar? Elas se envolvem com clientes? Quantos elas faturam? Elas gostam do que fazem?

Essas e outras perguntas serão respondidas nessa lista de curiosidades que te fará enxergar as strippers de forma diferente

Enjoy!



Apenas 1 em cada 3 strippers trabalham para pagar faculdade.


A idade média de uma striper é de 24 anos.


Cerca de 1 em cada 10 strippers são casadas.


Em média de 10 strippers, apenas 1 é do sexo masculino.


1 em cada 5 strippers do sexo feminino se relacionam com um cliente. Com os strippers masculinos essa média aumente, 3 entre 4 strippers se relacionam com suas clientes.


Uma stripper ganha facilmente 122 mil dólares por ano.


Apenas 1 em cada 8 strippers recebe benefícios de saúde através de seu trabalho.

Um estudo realizado pela Universidade de Leeds mostrou que a maioria das strippers vêm de famílias de classe média.


Strippers ganham mais dinheiro durante o período de ovulação.

Muitas strippers não vivem apenas de seus shows. Muitas delas possuem trabalhos durante o dia e a maioria opta por ser professora.


Strippers que recebem implantes mamários podem receber redução de impostos, alegando despesa de trabalho.


Durante anos o Canadá teve uma escassez strippers, e por um tempo, clubes de strip canadenses descobriram maneiras de recrutar mulheres estrangeiras para ocupar o cargo.


De acordo com um estudo feito pela Universidade de Leeds, 3 de 4 strippers estavam satisfeitoas com seus empregos. Em uma escala de 0-10, 75% das meninas classificaram sua satisfação com o trabalho entre 7 e 10.


60% dos strippers possuem trabalho convencional.


De acordo com estudos recentes, 86,3% das pessoas consideram o striptease um trabalho legítimo. E cerca de 8% consideram prostituição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário