fevereiro 14, 2014

Meia-noite: As 10 vezes que o mundo quase acabou!


Atenção: Essa postagem é conteúdo exclusivo do Vodka Nerd.

No dia 6 de agosto de 1945, o mundo foi mudado para sempre por uma arma capaz de aniquilar cidades inteiras do mapa. Nos anos que se seguiram, a bomba iria cair nas mãos de outros países. E pela primeira vez na história do mundo civilizado, o Armageddon estava ao alcance.

Para lidar com esta nova ameaça a população mundial, o Relógio do Juízo Final nasceu. Em manutenção há mais de meio século, o Relógio do Apocalipse é um relógio metafórico com os ponteiros definidos para alguns minutos antes da meia-noite - quanto mais perto da meia-noite, mas próximo do fim do mundo. Durante o primeiro ano ativo, o relógio apontou um assustador sete minutos para a meia-noite. Mas muitas coisas mudaram no mundo desde então. O quão perto estivemos da aniquilação, e quão perto estamos agora?




10. 1947: Sete Minutos para a meia-noite

Em 1945, o mundo ficou chocado com a chegada de um novo tipo de monstro, uma bomba atômica com poder de destruição tão avassalador que varreu cidades para fora do mapa. A bomba que atingiu Hiroshima matou milhares de pessoas e tornou o local inabitável, foi a maior exibição de poder que o mundo já tinha visto. Até a União Soviética se rendeu aos super poderes dos Estados Unidos.

Houve murmúrios por todas as nações. A União Soviética estava trabalhando no desenvolvimento de sua própria bomba, e eles não estavam longe de se igualar ao poder dos Estados Unidos. Uma vez que se tornou evidente que os Americanos não seriam capaz de guardar os segredos da bomba para sempre, uma terrível constatação veio ao mundo. Pela primeira vez na história, dois rivais tinham o poder de acabar com toda a vida na Terra, e eles estiveram próximos de puxar o gatilho.

O Relógio do Juízo Final foi ajustado para aterrorizantes sete minutos para meia-noite, mas as coisas estavam prestes a ficar muito pior...


9. 1953: Dois minutos para a meia-noite

Os seis primeiros anos do temido Relógio não foram nada animadores. Os soviéticos tinham detonado com sucesso seu primeiro dispositivo nuclear em agosto de 1949, e desencadeou o início oficial da corrida armamentista nuclear. Agora, em 1953, Estados Unidos e União Soviética constantemente demonstravam seu poder, com testes nucleares. Esses testes fizeram o relógio apontas apenas dois minutos para a meia-noite.


8. 1960 e 1963: Doze minutos para a meia-noite

Os dois países continuaram durante anos com os testes até perceberem que teriam problemas com a natureza e ambas as partes concordaram que estar vivo e odiar um ao outro era melhor do que estar morto. As relações continuavam tensas mas as chances de ataque nuclear era praticamente zero.

Em 1963 o acordo se tornou oficial, foi assinado um tratado de proibição de testes nucleares. O tratado dizia que nenhum dos lados poderia detonar artefatos nucleares a menos que fosse no subsolo, para proteger outros países da radiação. Isso retardou o desenvolvimento de novas armas nucleares, consideravelmente, devido as dificuldades em realizar testes subterrâneos. Os tempos eram muito bons, até...

7. 1968: Sete minutos para a meia-noite

As coisas não poderiam dar certo sempre. Em poucos anos o Paquistão e a Índia começaram oficialmente a guerra, Israel e Egito também estavam envolvidos em uma sangrenta batalha de seis dias, por outro lado, os Americanos estavam enraizados no conflito do Vietnã. As coisas não estavam boas para o mundo, mas os piores momentos chegaram graças a China e França - ambos os países tinham detonado com sucesso os seus próprios dispositivos nucleares, e ao contrario da União Soviética e Estados Unidos, eles não estavam envolvidos em tratado algum. Isso significava que estavam livres para detonar suas bombas onde quer que quisessem. As coisas ficaram mais tensas entre soviéticos e americanos com a aparente falar de poder de deter os chineses e franceses.

6. 1969 e 1972: Doze minutos para a meia-noite

Com a pressão dos americanos e soviéticos os grandes países resolveram se reunir para debate em uma espécie de Nações Unidas, onde foi assinado um tratado que todos os testes nucleares deveriam ser subterrâneos. Índia, Paquistão e Israel não concordaram e ficaram de fora do tratado.

Por enquanto a paz reinava entre as nações. Os americanos e soviéticos congelaram a produção de armas nucleares. Eles assinaram um tratado de Mísseis Anti-Balísticos, que tinha o objetivo de fazer as nações desconstruir seus sistemas de defesa nuclear.

5. 1974: Nove minutos para a meia-noite

1974, o ano onde Buda sorriu. Se lembra que Índia entrou em guerra com o Paquistão e se recusaram a assinar o tratado de testes nucleares? Sim, isso acabou causando alguns problemas. Em 1974, a Índia detonou com sucesso o dispositivo nuclear chamado "Buda Sorrindo", provando que eles eram capazes de fazer algo poderoso no mesmo nível do Paquistão. O mundo estava assustado com a possibilidade da extinção de vida na terra e isso envolveu um grande número de nações.

Para piorar a situação, os americanos e os soviéticos tinham inventado um novo tipo de ogiva nuclear, capazes de ataques precisos sobre alvos múltiplos com uso de apenas um foguete. Nenhum dos lados gostou de saber que ambos estavam produzindo as escondidas e palestras sobre novas restrições nucleares se arrastavam.

4. 1981: Quatro minutos para a meia-noite

O presidente Ronald Reagan assumiu os Estados Unidos em meio a guerra fria. Os soviéticos invadiram o Afeganistão com o apoio dos americanos, esse apoio foi uma demonstração de que Reagan estava de saco cheio de toda essa coisa de guerra fria. Ele queria que acabasse e acreditava que havia apenas duas maneira de fazer isso: ou dominam a Rússia com bombas ainda mais fortes, ou reduziam drasticamente a quantidade deles no mundo. Adivinha qual das opções era mais provável de acontecer.

Em um movimente políticos surpreendente, o presidente Reagan conversou inúmeras vezes com os soviéticos para desarmar ainda mais seus estoques nucleares. As chances de isso acontecer eram baixas, mas Reagan de alguma forma conseguiu fazer seu inimigo pensar sobre a ideia. O relógio foi empurrado lentamente para a frente, próximo a destruição total, mas em seguida uma coisa louca aconteceu...

3. 1989-1991: Dezessete minutos para a meia-noite

O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário aconteceu. A população da União Soviética estava se preparando para a revolução. O governo comunista do leste europeu estava ruindo e logo não haveria União entre os países que formavam a União Soviética.

Em uma manobra desesperada, Gorbachev (o líder da união), assinou todos os tratados das nações unidas. Apelou para a desconstrução de boa parte dos mísseis e armas nucleares, o que naturalmente era uma coisa boa. Infelizmente, pouco tempo depois de tudo isso a União Soviética implodiu completamente sobre si mesmo. Infelizmente porque esse fato tornou-se uma preocupação mundial - a Russia, principal país da união perdeu o controle sobre suas armas nucleares que estavam espalhadas pelos vários países que formavam a União Soviética. Apesar de nenhuma arma ter dado como desaparecida, as peças e esquemas necessários para a construção de bombas ainda estão circulando por esses países até hoje, graças as vendas no mercado negro.

2. O Relógio Para: a crise dos mísseis de Cuba

Você deve ter notado uma clara falta da Crise dos Mísseis Cubanos nesta lista sobre o Relógio do Juízo Final. A razão para isso é a crise, felizmente, só durou cerca de duas semanas . Não há tempo suficiente para as pessoas que trabalham por trás do relógio para ajustá-lo para a situação atual, mas se tivesse sido alterado para refletir a situação, então é quase certo que teria sido um minuto da meia-noite. Possivelmente apenas dez segundos de distância.

Não espero que você saiba muito sobre a Crise dos Mísseis de Cuba, mas aqui está uma atualização do caso. Os Estados Unidos tentaram derrubar o líder comunista de Cuba, Fidel Castro. Nikita Khrushchev iniciou conversas com Fidel Castro em uma tentativa de fazer o comunista permitir que os soviéticos instalassem mísseis em Cuba, fazendo com que os Estados Unidos diminuísse as constantes tentativas de derrubar o líder comunista. Castro concordou com o plano, e os mísseis começaram a ser enviados para Cuba em segredo.

Os Estados Unidos logo percebeu o que estava acontecendo, e decidiu bloquear todos os acessos a Cuba, deixando assim o país sob quarentena em vez de apenas explodindo-lo do mapa.

Mas a maioria das pessoas realmente não entendem o quão perto nós estivemos do fim do mundo. Os navios americanos que guardavam Cuba realmente tinham ordens de abater qualquer navio que se aproximasse do país, e um avião americano foi abatido por um navio soviético. Esse poderia ser o ato final para uma guerra nuclear, mas ainda estamos aqui.

1. 2012: Cinco minutos para a meia-noite

E se até agora apenas falamos do passado, saiba que na verdade estamos pior que a meio século atrás, quando o relógio veio pela primeira vez aos olhos do público. Mas as noticiais são de certa forma positivas, já que o problema agora não é o preocupação com o fim do mundo, mas sobre a destruição regional. Existe uma grande quantidade de peças nucleares lá fora, desaparecidas após a queda da Cortina de Ferro, e muitos países ainda possuem grandes arsenais de armas de destruição em massa. O Relógio do Fim do Mundo nunca atingiu a meia-noite. Ele esteve perto, em alguns dos momentos mais sombrios da história do nosso planeta, mas sempre conseguimos atrasar a destruição total da Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário